sábado, 8 de fevereiro de 2014

Mãe... é eternidade!

A minha, como já aqui disse algumas vezes, é uma mulher de fibra! Contudo, a idade avançada, e este clima frio e húmido a que não consegue habituar-se, fizeram-na adoecer.
Assustei-me, mesmo! Uma pneumonia nestas idades não é doença fácil! Não é mesmo!!
Têm sido  dias complicados, para ela e para mim.
Consciente da gravidade da situação, fez a medicação com  rigor e tomou todos os cuidados necessários ( com a alimentação, as mudanças de temperatura e... muito descanso). A sua força anímica e vontade de viver, fizeram o resto. Diz que se sente quase curada e eu também a sinto muito melhor. 
Voltaremos, amanhã, ao médico para ouvir o " veredicto". Estou confiante! Tudo acabará em bem! Só pode...  porque MÃE devia ser... 

...para Sempre

Por que Deus permite 
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite, 
é tempo sem hora, 
luz que não apaga 
quando sopra o vento 
e chuva desaba, 
veludo escondido 
na pele enrugada, 
água pura, ar puro, 
puro pensamento. 
Morrer acontece 
com o que é breve e passa 
sem deixar vestígio. 
Mãe, na sua graça, 
é eternidade. 
Por que Deus se lembra 
— mistério profundo — 
de tirá-la um dia? 
Fosse eu Rei do Mundo, 
baixava uma lei: 
Mãe não morre nunca, 
mãe ficará sempre 
junto de seu filho 
e ele, velho embora, 
será pequenino 
feito grão de milho

Carlos Drummond de Andrade, in 'Lição de Coisas'


Tema(s): Mãe