quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Porquê Maria Luís?

Maria Luís podia dar mais? Se não quis foi infeliz.
Mas que podia fazer Maria Luís? Podia subir os salários? Baixar os impostos? Não era essa a diretriz. A troika definiu a matriz. Ignorou a vontade de Maria Luís.
Este é o nosso fado e a nossa cicatriz... contra isto nada pode fazer Maria Luís.
Mas com menos ordenado e mais cortes nas reformas está quase a partir-se o verniz. E quando tal acontecer o que resta a Maria Luís?
Não estamos propriamente a falar de uma aprendiz, estamos a falar de uma ministra que está convencida daquilo que diz. Uma verdadeira imperatriz, atirada para a frente das depauperadas Finanças de um pobre país. É o primeiro orçamento de Maria Luís... um exercício difícil, cheio de incertezas e que ainda tem de passar pelo crivo do juíz...se passar... é por um triz, mas será de grande alívio para Maria Luís.
É aguentar, como diz o banqueiro do BPI. Aguentar até que apareça uma nova força motriz que traga alguma esperança a este país.
É a tua sina, Maria Luís. Temos de resolver este problema de raiz. Mas olha para aqueles que hoje castigas, porque amanhã podes ser tu a infeliz.

(Texto de Miguel Alexandre Ganhão, subchefe da redação do jornal Correio da Manhã).


Li hoje no Correio da Manhã. E foi, se bem me lembro, a primeira vez que sorri desde que o orçamento de estado para 2014 foi apresentado. A verdade nua e crua numa prosa leve e descontraída. Para além da sua pertinência, acho imensa piada ao sentido de humor com que  o jornalista aborda este  assunto tão na ordem do dia e que tanta tinta ainda vai fazer correr...