domingo, 2 de março de 2014

O Papa da diferença #2

  1. Foto: «Não condenem quem se divorciou», pede papa Francisco.

O papa Francisco afirmou esta sexta-feira que os cristãos não podem «condenar» as pessoas que se divorciaram ou não tiveram sucesso nas relações amorosas. 

Numa missa celebrada esta manhã na residência de Santa Marta, no Vaticano, o Pontífice voltou a abordar o tema do divórcio e pediu para que os divorciados recebam «apoio e acompanhamento», em vez de «condenação» por parte da sociedade e da Igreja Católica.

«Quando um relacionamento amoroso termina, devemos sentir a dor dessa falência, acompanhar essas pessoas que sofrem por amor», comentou Jorge Mario Bergoglio.

«Não condenar, mas sim, caminhar ao lado deles e não cair na casuística.»

No início do mês, o papa Francisco pediu para os sacerdotes da Igreja Católica tratarem os divorciados de uma maneira que eles não se sintam «excluídos da misericórdia de Deus».

«Os pastores da Igreja são convidados a dar assistência aos divorciados ou separados de maneira que eles não se sintam excluídos da misericórdia de Deus, do amor fraterno dos outros cristãos e do interesse da Igreja na salvação deles», disse o Papa na ocasião.

O tema do divórcio será discutido no próximo Sínodo Extraordinário sobre a Família, que ocorrerá entre os dias 5 e 19 de Outubro. O encontro analisará o possível fim da proibição de comungar pessoas divorciadas.


«Não condenem quem se divorciou», pede papa Francisco.

O papa Francisco afirmou esta sexta-feira que os cristãos não podem «condenar» as pessoas que se divorciaram ou não tiveram sucesso nas relações amorosas. 

Numa missa celebrada esta manhã na residência de Santa Marta, no Vaticano, o Pontífice voltou a abordar o tema do divórcio e pediu para que os divorciados recebam «apoio e acompanhamento», em vez de «condenação» por parte da sociedade e da Igreja Católica.

«Quando um relacionamento amoroso termina, devemos sentir a dor dessa falência, acompanhar essas pessoas que sofrem por amor», comentou Jorge Mario Bergoglio.

«Não condenar, mas sim, caminhar ao lado deles e não cair na casuística.»

No início do mês, o papa Francisco pediu para os sacerdotes da Igreja Católica tratarem os divorciados de uma maneira que eles não se sintam «excluídos da misericórdia de Deus».

«Os pastores da Igreja são convidados a dar assistência aos divorciados ou separados de maneira que eles não se sintam excluídos da misericórdia de Deus, do amor fraterno dos outros cristãos e do interesse da Igreja na salvação deles», disse o Papa na ocasião.

O tema do divórcio será discutido no próximo Sínodo Extraordinário sobre a Família, que ocorrerá entre os dias 5 e 19 de Outubro. O encontro analisará o possível fim da proibição de comungar pessoas divorciadas. 

  Papa Francisco, o Papa da inovação, da mudança!