quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Sobre queixas e... queixosos!


Queixamo-nos! Muito! Pouco! De tudo! De nada... A queixa faz parte da nossa cultura, enquanto portugueses.
Não é grave queixarmo-nos desde que tenhamos  a capacidade de perceber quais são os nossos limites - enquanto queixosos - perante quem se dispõe a  ouvir-nos, e desde que não nos vitimizemos! A necessidade de nos queixarmos é distinta em  cada um de nós, sendo maior ou menor consoante a estrutura psicológica de cada um. Normalmente, as queixas funcionam como desabafos relativamente a situações desagradáveis a que todos estamos sujeitos no dia a dia e que, em boa verdade, são imensas... Desabafos que se constituem muito importantes para  o nosso equilíbrio emocional. E lá estão a família e os amigos para nos aturarem...
Até aqui tudo bem, tudo muito saudável!! O pior mesmo é quando determinadas pessoas, peritas em provocar situações que em muito desagradam a  quem está por perto, habilmente invertem os papéis,  vitimizando-se - quase sempre através de ares pesarosos e/ou  silêncios confrangedores - e  tentando fazer crer que são inócuas.
Confesso que me vai faltando a paciência para  lidar com  pessoas manipuladoras! Ao fim de muito tempo acabam por cansar!

Que me desculpem por este meu desabafo/queixa!... "Queixosa" q.b. eu vou continuar a ser, ouvinte também, o que não quero mesmo é continuar a pactuar com estas pessoas que, numa tentativa de "acusação do outro", vestem a roupagem de vítimas. É complexo o comportamento humano!...